quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Estudar, estudar e estudar!

Não conheço outra forma de crescer profissionalmente sem os estudos, não mesmo. Outro dia, em uma das escolas que leciono, elogiei uma aluna e disse a ela: "Poxa! Você tem o perfil de uma professora!". Sabe o que ela me respondeu? Ela disse: "Que isso Tio, não quero ser uma professora, os professores ganham muito mal!".

Diante do que ela disse e das risadas eu pensei, pensei muito antes de dar uma resposta. Em tese ela está certa, a maioria de nós se acomoda, possui apenas uma matrícula e não continua estudando. Os professores federais ganham bem, os estaduais tem que correr atrás para complementar o seu salário e os municipais... bom, dependendo do município o magistério pode ser uma furada.


Será que é essa a solução? Vamos ver o que o Reinaldo Azevedo pensa a respeito disso:

O Brasil investe em educação um percentual do PIB de Primeiro Mundo e colhe um resultado de Terceiro. É dinheiro que falta? Não! É competência mesmo! Mas não se diga isso na era petista…

Ainda ontem, com o rosto — e, possivelmente, o pensamento — paralisado pelo botox, Carlos Giannazi, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL (o partido em que Caetano & Chico vão votar no Rio), defendia, num debate, que o governo passe a investir 10% do PIB em educação… É uma boçalidade! As coisas são simples assim: esse dinheiro não existe. Se existisse, dada a atual estrutura, seria o mesmo que jogá-lo pela janela. Aliás, é bem provável que, nessa hipótese, ele fosse mais bem aproveitado.
O Brasil é a sétima economia do mundo e investe na área 5,7% do PIB. É muito dinheiro. Só que é mal aproveitado, e o resultado é pífio. Entre outras razões, há um permanente boicote a todo e qualquer esforço feito em favor da qualidade. Em São Paulo, o então governador José Serra instituiu um sistema de promoção de professores por mérito e de qualificação dos profissionais. A Apeoesp, comandada pelo PT, foi à greve. Opôs-se até mesmo à definição de um currículo mínimo para as escolas. Livros foram queimados em praça pública. Os esquerdopatas querem mais salário, mas recusam qualquer programa que avalie seu desempenho. Os prejudicados são os alunos.
Aí aparecem, então, as soluções miraculosas — as “chalitices” e “mercadantices” da vida, como “escola em tempo integral”, “escola da família”, “escola com tablet”… Só não se fala numa escola com professor capacitado e submetido a uma avaliação constante do seu trabalho, que premie a competência e puna a incompetência, como em qualquer área da vida. Os sindicatos, tomados por petistas e esquerdistas ainda piores, não deixam.
Pois bem. Reproduzo abaixo uma nota publicada na Exame.com. Em relação à porcentagem do PIB, o Brasil investe em educação mais do que muitos países superdesenvolvidos. Mas está lá atrás na fila da qualidade. Leiam.

Tramita no Congresso Nacional uma proposta para fazer o volume de recursos para a educação chegar a 10% do PIB nacional. Hoje, o Brasil investe 5,7% — um dos índices mais altos entre os 42 países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a frente de Reino Unido, Canadá e Alemanha, por exemplo. Na semana passada, a organização lançou um relatório sobre os gastos em educação de várias nações. Investir um décimo de toda a riqueza produzida no país deixaria o Brasil em primeiro lugar no ranking, acima da Islândia, que investe assombrosos 7,8% do PIB em educação hoje.
Esse número considera, além dos investimentos nas instituições de ensino, gastos governamentais com bolsas e programas de apoio aos alunos. Apesar do investimento brasileiro ser próximo da média dos países da OCDE, o país se encontra somente em 53º lugar — de um total de 65 — no Pisa, um programa de avaliação da qualidade da educação da mesma organização.
Ou seja, maiores investimentos não necessariamente acompanham, na mesma proporção, uma melhora no desempenho dos estudantes. O Brasil é o 15º que mais investe o PIB na área na lista da OCDE. Os lanternas no ranking foram Indonésia (investimento de 3% do PIB), Índia (investimento de 3,5%), Japão (3,8%), Eslováquia (4,1%) e República Tcheca (4,4%).


fonte: clique aqui

E você? O que você acha?

3 comentários:

  1. Acho que a proposta do senhor autor da matéria é bem adequada ao neoliberalismo, defendido pelo próprio com unhas e dentes...
    Menor percentual do PIB destinado para a Educação em países desenvolvidos pode funcionar, afinal estão num estágio social e econômico bem acima da realidade brasileiro, além de suas condições demográficas e geográficas peculiares (aspectos que o autor do texto desconsidera em uma análise simplista). Mas em um país com dimensões continentais, com mais de 190 milhões de habitantes, onde as escolas, boa parte delas pelo menos, são sucateadas e com professores recebendo baixos salários não funcionará jamais.
    Os sindicatos, políticos ou não, precisam mesmo lutar pelos profissionais do magistério, é um direito de cada trabalhador cobrar melhorias no trabalho, nas políticas públicas e lutar por salários dignos também. (http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/10/01/professor-brasileiro-ganha-menos-que-metade-do-salario-dos-docentes-dos-paises-da-ocde.htm)

    Eduardo, segue outro link muito interessante, com um blog mantido pelo professor da UNICAMP, Luiz Carlos de Freitas, que demonstra a fragilidade da politica educacional norte-americana e chilena que estão sendo implantadas "goela abaixo" no Brasil. http://avaliacaoeducacional.com/2013/10/27/usa-exportando-lendas/

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado professor Rodolfo, os seus comentários são sempre bem fundamentados. Para quem ainda não conhece esse brilhante profissional, Rodolfo foi diretor de uma escola em MG e é professor de história do CIEP 280 e mantém um blog de história (o primeiro da minha lista de link's).

      É isso Rod, como já havíamos comentado na escola, não estamos investindo muito na educação, precisamos de melhores salários e um currículo nacional, deixando uma parcela para os conteúdos relativos a realidade local. Outra sugestão que faço aqui é a disponibilização de material pedagógico de excelência para professores e alunos, chega de sustentar editoras!!!

      Excluir
    2. Concordo, Eddy!


      Chega de gastar fortunas com as editoras.

      Excluir