quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Opinião X Ciência

Será que existe um antagonismo entre opinião e ciência?
Que tal tentarmos contornar ambos conceitos?
Podemos?

Começaremos com OPINIÃO e o seu significado no dicionário, depois com CIÊNCIA. A partir daí, poderemos tentar responder as perguntas.


opinião 

o.pi.ni.ão 
sf (lat opinione1 Maneira de opinar; modo de ver pessoal; parecer, voto emitido ou manifestado sobre certo assunto. 2 Asserção sem fundamento; presunção. 3 Conceito, reputação. 4 Juízo ou sentimento que se manifesta em assunto sujeito a deliberação. 5 Capricho, teimosia. O. pública, Sociol: juízo coletivo adotado e exteriorizado por um grupo ou, em sociedades diferenciadas e estratificadas, por diversos grupos ou camadas sociais.


fonte: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=opini%E3o


ciência 

ci.ên.cia 
sf (lat scientia1 Ramo de conhecimento sistematizado como campo de estudo ou observação e classificação dos fatos atinentes a um determinado grupo de fenômenos e formulação das leis gerais que os regem. 2 Erudição, instrução, literatura. 3 Soma dos conhecimentos práticos que servem a determinado fim. 4Conhecimentos humanos considerados no seu todo, segundo a sua natureza e progresso. Bel-art Tudo o que se pode reduzir a regras e preceitos. C. básica: cada uma das ciências como Anatomia, Fisiologia, Bacteriologia, Patologia ou Bioquímica, fundamentais para o estudo da Medicina. C. cristã:misto de religião e medicina mental fundado nos Estados Unidos em 1866, segundo o qual todas as causas e efeitos são mentais, sendo possível destruir males e sofrimentos pela fé. C. de algibeira: saber superficial dos semiletrados: "Contestei a ciência de algibeira dos meus examinadores" (Rui Barbosa). C. de estado: estatística, política. C. de simples inteligência:faculdade inerente a Deus, pela qual ele se conhece a si mesmo. C. do coração:conhecimento e explicação de tudo o que está relacionado com o sentimento. C. do mundo: conhecimento das coisas práticas da vida. C. do ser: ontologia. C. infusa: a) que se crê vinda de Deus por inspiração; b) conhecimentos adquiridos sem ensinamentos, naturalmente. C. Social: ciência da organização e do desenvolvimento das sociedades. Ciências exatas: as que somente admitem princípios, consequências e fatos rigorosamente demonstráveis. Ciências físicas: as que estudam a natureza dos corpos, as leis que os regem, as forças que neles atuam e os fenômenos que delas resultam. Ciências morais: as que se ocupam dos sentimentos, pensamentos e atos do homem. Ciências naturais: as que tratam dos fenômenos e dos seres que constituem o mundo físico ou natureza, como a Botânica, a Zoologia, a Mineralogia. Ciências ocultas: pretensas ciências, cujo conhecimento era vedado ao vulgo: a astrologia, a cabala etc. De ciência certa: a) com perfeito conhecimento de causa; b) com base em verdadeiras informações.


fonte: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=ci%EAncia

Ao meu ver, existe uma grande distância entre a opinião e a ciência, chego a concordar que existe de fato um antagonismo. O motivo desse confronto de conceitos é muito simples e pode ser útil no nosso dia a dia, é que algumas pessoas opinam como se estivessem fazendo algum tipo de pronunciamento científico, e invariavelmente cometem equívocos, erros crassos.
Não o fazem por mal, na verdade estão tão cheios de certeza, preguiça de ler e estudar, e por conseguinte acabam "cientificando" opiniões absolutamente pessoais. Vou tomar como exemplo um post que li recentemente, nele a pessoa tentava, a todo custo, refutar um conceito em curso, com uma opinião de uma outra pessoa, alheia ao meio intelectual em questão. Qualquer pessoa pode ter uma opinião formada sobre Arte Contemporânea, inclusive um mendigo não é mesmo? Então, todos temos a liberdade de emitir opiniões sobre tudo, porém, essa mesma ideia só será considerada como válida se houver algo próximo de uma comprovação, ou seja, ciência.


ou



Eu gosto de ambos trabalhos, são magníficos e pertinentes ao seu tempo. Marylin de Andy Warhol é um exemplo de como um retrato pode ser trabalhado de maneira inusitada e criativa, da mesma maneira é o trabalho de Ingres, imbatível no seu tempo e difícil de ser igualado hoje em dia. Para Ingres (como para Warhol...) o retrato não é um trabalho duro e metódico, há a possibilidade de se compor com as linhas da figura, enfatizando-as em apenas algumas áreas do trabalho. Isso sim é um retrato de um artista, pois ele usa a ciência da composição ao invés de apenas copiar. Notem que ele trabalha bem o lado esquerdo do rosto e alguns detalhes da gola da capa que a figura está usando, todo o resto está resolvido com poucos detalhes o que torna a obra leve e dinâmica através da sua composição. Isso não é uma opinião, isso é leitura de imagem, isso é ciência.

Então amados, estudem muito, pois quanto mais estudarem mais próximos da ciência estarão, e longe de opiniões...


Nenhum comentário:

Postar um comentário